parent coach

parent coachA palavra é não ter pressa. Criar filhos com calma sem a correria do nosso dia a dia  cheio de compromissos é uma tarefa difícil. Quando vemos já estamos arrastando a criança com a gente para compromissos ou preenchendo o dia dela conforme nosso ritmo frenético.

Isso porque a lógica das nossas relações está permeada pela produtividade, velocidade e competitividade. Isso influencia nossa forma de lidar conosco, sempre nos cobrando mais e dando conta de cada vez mais coisas e consequentemente na forma como lidamos com nossos filhos fazendo um superagendamento da infância na busca de produtividade, resultados e alta eficiência.

Parece algo tão comum matricular a criança em varias aulas, estudar em escola período integral, fim de semana cheio de eventos e visitas. Mas, isso pode não ser saudável e há um movimento que prega justamente o contrário: a desaceleração do cotidiano, para que as crianças tenham mais tempo para fazer nada.

Esse movimento se chama Slow Parenting

Há atualmente um superagendamento da rotina da criança, com todas as horas do dia controladas e sempre na intenção de produzir algo “útil”, com resultados ou adquirir conhecimento para um futuro profissional. Mas, a questão desse movimento que ganhou força na Europa e EUA é o respeito a infância e para desaceleração da rotina das crianças.

Já escrevi em outro texto aqui no blog sobre o estresse tóxico  que pode ser causado justamente pelo excesso de compromissos e afazeres da criança

Reforço que o excesso de atividades, aulas extracurriculares, cursos e atividades físicas não é um indicativo de sucesso profissional ou de boa formação educacional. Apenas de adaptação ao ritmo frenético de vida.

Os pais que preenchem a rotina das crianças estão cheios de boas intenções, mas precisamos refletir de forma consciente que tipo de adultos eles serão? Com certeza, todos querem o melhor para os filhos, mas isso não significa antecipar formações e ferramentas pautadas em um futuro que depende de muitos outros fatores.

Sim, é importante formações, cursos e atividades extracurriculares. Mas, precisam ser feitas respeitando o tempo da criança, sua vontade e seu desenvolvimento físico, emocional  e psicológico.

A melhor forma de preparar nossos filhos para o futuro é respeitando seu tempo de criança, seu tempo para o tédio, para exercitar a criatividade e o brincar.

Muitas pessoas me perguntam se a Clarice faz alguma atividade durante a semana e quando respondo que nenhuma, vejo a cara de preocupação das pessoas. Já me perguntaram: você não está prejudicando o futuro dela? E penso que pelo contrário, estou cuidando do desenvolvimento dela. Como podemos considerar uma criança de 18 meses ter obrigações e compromissos?

A ansiedade em preparar as crianças para serem “os melhores” junto com a nossa cobrança de sermos bons pais justifica antecipar fases de desenvolvimento, super estimular recém nascidos a  alcançar marcos de desenvolvimento. Uma corrida para ver quem anda primeiro, quem fala, quem senta. Eu defendo sim o estímulo desde cedo, mas tudo com certa medida. Porque precisamos compreender que a criança precisa de tempo para si, para o nada e para contemplar o mundo.

Para o jornalista canadense Carl Honoré, autor do livro Sob Pressão considerado o livro precursor do movimento Slow-parenting é necessário questionar nosso estilo de vida ultra acelerado que acabamos impondo as crianças. É essencial entender o que é realmente qualidade de vida.

Qualidade de vida é poder ter um aprendizado significativo e potencialmente transformador. E não somente conteúdo por conteúdo. Quando a criança pode ter seu tempo respeitado, suas necessidades de afeto, família, experiências e atendidas o seu aprendizado de mundo e formação pode ser realmente efetivo, com sentido para vida.

Vamos oferecer tempo livre para as crianças, tempo para construírem seu dia a dia, suas descobertas, serem espontâneas e livres da nossa ansiedade e stress.

 

Vamos praticar o slow parenting?

Desaleracer nossa rotina de compromissos

Rever o quanto te stress e ansiedade passamos para nossos filhos

Promover momentos em família sem celular, tablete e televisão

Passeios ao ar livre

Crianças de 0 a 5 anos não precisam é de tempo livre para brincar

Fazer refeições em família

Priorizar atividades que favoreçam o corpo e a mente

Resgatar velhas brincadeiras: amarelinha, pula corda, pega vareta…

Ter momentos para conversar e ouvir

Promover momentos de leitura

Praticar momentos silenciosos, para limpar a mente

Deixe seu filho livre, tédio faz bem

Aqui em casa tentamos encontrar esse equilíbrio e ter uma vida de qualidade, significativa e com memórias maravilhosas para a Clarice. E na sua casa? Como é?

Um Grande Beijo daqui de casa

Nat

Você também pode gostar destes posts

Read More